quinta-feira, 31 de julho de 2008

QUEM FOI O QUE MORREU I


João Francisco António José Bento Bernardo de Bragança, nasceu em 22 de Outubro de 1689.
Segundo filho de D.Pedro II e D. Sofia, nascido já depois da morte prematura de seu irmão, baptizado com o mesmo nome, foi feito cavaleiro por seu pai, o rei, com 7 anos de idade.

Sua Mãe, ciumenta assumida das escapadelas do marido, tornava-se agressiva e maltratava toda a gente, desde os filhos aos criados. Alemã, antipática e distante, que se tornou devota assumida e passava o tempo nas igrejas, deixou a educação dos filhos entregue aos padres Jesuítas, sendo um dos seus preceptores, o Inquisidor-geral do Santo ofício, com grande influência em João Francisco e que lhe deixou marcas durante toda a sua vida.

Quando sua mãe morreu, com 33 anos, tinha João Francisco 10, veio a tia Catarina para Portugal, já que tinha ficado viúva do rei de Inglaterra e ficou a tomar conta da educação dos meninos, mas também só durou uns 6 anitos mais...

Em 9 de Dezembro de 1706 seu pai morreu e João Francisco não teve outro remédio senão sentar-se no trono e começar a reinar. No dia 1 de Janeiro do ano seguinte em pompa e circunstância lá foi aclamado rei, o 24º e deram-lhe logo alcunhas: O magnânimo, o rei-sol Português e à boca fechada, chamavam-lhe as más línguas, o Freirático e porquê? Porque para além das manias das grandezas e do luxo de que se rodeava, tinha um apetite sexual desenfreado por freiras, como podia atestar a madre Paula, que acabou por lhe dar pelo menos um rebento que foi bater com os costados numa espécie de asilo e a quem mais tarde chamariam um dos meninos da Palhavã.

Casou, com D. Mariana Josefa, em 9 de Julho de 1708 e como nunca mais chegavam filhos, fez uma promessa e quando finalmente começaram a nascer, logo 5, cumpriu e mandou construír o convento de Mafra.

Com a ajuda do seu diplomata Luis da Cunha, ainda era miúdo o seu filho José, arranjou-lhe logo o casamento com a Maria Ana Vitória, da Espanha e o irmão desta, o herdeiro da coroa Espanhola, casaria com a Maria Bárbara, mana do José...

Este Luis da Cunha, foi o carola que arranjou o job para o boy Sebastião de José Carvalho e Melo.
Isto era de tal ordem, que Pedro, irmão de José, viria a casar com a filha do José, a Maria, que veio a ser a D.Maria I, a primeira mulher raínha de Portugal, sua sobrinha, mas que até parece que o amor entre os dois era assolapado, pois segundo relatos, uma das razões para a loucura da D.Maria, teria sido a morte de seu marido, que alé de 20 anos mais velho, também era tio...

Foi na corte deste monarca, que se formaram 2 partidos, liderados por 2 condes e que dividiam a sociedade: o da moda-nova e o da moda-velha.

O Conde da Ericeira, Francisco Xavier de Menezes, o bon-vivant lá da corte, promovia grandes jantares, jogatanas, tertúlias e principalmente, queria as damas a mostrarem-se e a conviverem no meio dos salões...o flirt...

Este conde, era só um dos que ía com o João Francisco às freiras, como quem vai à "rosette"...

Por outro lado, o conde do Vimioso, não achava piada nenhuma a esta rebaldaria e tentava a todo o custo manter as damas afastadas dos olhares comilões, pois se formos a ver, todos casavam por interesse, com famílias que tinham alguma coisa a dar em troca e já se estava a ver, uma filhota em idade de namorar, apaixonar-se logo pelo cromo que não tinha nada a oferecer...
Conservador até dizer chega, mas também com a desculpa de que havia pessoal a esbanjar dinheiro que não havia, ainda p'ra mais, numa altura de guerra, em que não havia dinheiro para o combustível da altura: a comida!

E foi assim, ao longo do seu reinado, algumas coisas boas, outras más, mas estava apenas a abrir caminho para o seu filho e para o seu JS...

Em 10 de Maio de 1742, deu-lhe uma paralisia parcial e foi tentar salvar-se a banhos nas Caldas. Sem sucesso, regressou, assumiu de novo o governo, mas teve de entregar tudo nas mãos de Alexandre de Gusmão, acabando por morrer, muito diminuído quer física quer mentalmente , em 31 de Julho de 1750.

12 comentários :

o escriba disse...

Ana Lagartinha

Sou uma apaixonada por História.
E da História contada da maneira como a apresentou, sou uma fã incondicional!!!
Boa lembrança a sua, com graça e humor!
Gostei muuuuito!

bjs
Esperança

lagartinha disse...

Adoro a História de Portugal e tenho andado a fazer um estudo já um pouquinho mais profundo sobre o Concelho de Cascais. As coisas que tenho encontrado! Um dia mostro...grandes marotos, os grandes Homens deste País!
Um beijinho e obrigada

anamarta disse...

Olá Ana
Passei para agradecer atenção e carinho demonstrados, estou voltando, aos poucos, porque embora esteja melhor, os dedos ainda não estão totalmente recuperados. Já tinha saudades.Parabéns pelo post! Gostei muito
Um beijo e bom domingo

lagartinha disse...

Anamarta
Fico muito contente por saber que está melhor.
Desejos de rápida recuperação, para a termos de volta a 100%
Um beijinho e muito obrigada

Geo disse...

Lagartinha! Adorei...foi uma leitura rica e prazerosa...Obrigada!

Bjs

Geo

lagartinha disse...

Geo
Ainda bem que gostou. Volte sempre...
Bjs

Sophiamar disse...

Continuo de férias, pouco ligada à net, mas venho desejar-te um bom fim de semana. Do meu mar e da minha serra envio-te beijinhos e um abraço amigo.

p.s. Gostei muito do post, Lagartinha. Gostas de História!

lagartinha disse...

E que as férias sejam muito boas e inspiradoras!
E sim, gosto muito de História, mesmo, principalmente a Portuguesa, tão rica...
Um grande beijinho e muito obrigada.

anamarta disse...

Olá Ana
Desculpe de só agora responder à questão que me pôs lá no meu blog, quanto à blogagem colectiva, mas ainda não estou a 100%. Como não conhece a história da Flavia, uma menina a quem, aos dez anos, um absurdo acidente numa piscina deixou em coma, dê um salto até ao blog http://flaviavivendoemcoma.blogspot.com/, que lá encontra a história toda e a maneira como participar.
beijinho e boa semana

lagartinha disse...

Anamarta
Obrigada pela explicação e pelo link.
Estou elucidada e vou participar.
Um beijinho e continuação de boas melhras.

Jorge P.G disse...

A melhor forma de aprender História é torná-la prazeirenta, tirando-lhe as partes chatas e puxando pelas peripécias relevantes, contando-as de um modo leve, em tom de brincadeira.
Gosto do estilo.

Um abraço.

lagartinha disse...

Era assim que a minha professora nos dava as aulas. 800 anos de História de Portugal à moda da Professora Otília. Todos adoravam as aulas dela...
Um abraço